Total de visualizações de página

sábado, 19 de dezembro de 2015

Pura Imaginação



Pura Imaginação

Pulsa no peito o coração...
A imaginação aflora produtiva
A luz cura e aclara a visão
E a razão eclode sempre viva...


Amores trazem novos arroubos 
Bobos desejos de juventude
Primitivos instintos de lobos
De conquista e completude

Amor depura ideias tortas
Compila os sentidos retos
Adoça a boca compotas
Faz o poema doce delitos...

Son Dos Poemas

Refrão



Refrão

Coisas boas pedem bis
Quantas vezes podemos repetir?
Felicidade é reflexo a magia refletir
O refrão é simples nada complexo
Marca o compasso da canção
Bombom mesmo é ser feliz!
E gritar bis!...Bis!...Bis!
Suprir alma e coração
Como uma guloseima
Repetir o doce refrão...
Escrevendo bis em poema...


Son Dos Poemas

Leste?




Leste?
Leste norte é a direção
Sorte pode ser um trevo?
Por opção por amar escrevo!
Descrevo e há sensação...
Ao deixar os pelos arrepiados
A pele e couro cabeludo
Os cabelos desalinhados
E nos lábios macies de veludo
Leste é minh'alma exposta
Ainda tento achar resposta...
Leste minha oferta?
Aquela que diz..."Meu poeta"...
Veste um manto estelar 
Um brilho lapidado no olhar
Hoje o traje é á rigor
Jade que pode ser âmbar
Mas o prazer é amar por amor...
A melhor forma de se encontrar.


Son Dos Poemas

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

CHUVA



Chuva

Poema demolhado em água de cheiro
Céu em movimento prevê chuva
Profecia tempestade sobre as parreiras
Anuncia sóis em negrito nas gavinhas d'uvas
Águas de alívio ou desespero conciso
Luares molhados capins umectados 
Chuva cadenciada é alento preciso
O repente insistente no toque do telhado
O sono vence a insônia gotejante
Despi a claridade e calça as corredeiras
Pinta o olhar de mais de cinquenta tons
De acinzentando até a cor de madeira
Sobre as laranjeiras, folhas d'vento, trovão...
Uma chuva de inspiração
Um suspiro e tudo escoa e momentos vão...


Son Dos Poemas

SOL



Sol
Gira mundo eldorado
Aquece o planeta em reverência
Com teus raios ultravioletas
Dança sobre mim e as borboletas 
Faz mover os sentidos em transição
Gira sol traz eflúvio perfumando a estação
Encaixilhando meu olhar singelo
Preenchendo meu coração de verão
Enriquecido com teu ouro amarelo 
Á fonte que dá calor e me alimenta
Formata um elo dourando ' mar...
Alimenta e sustenta o espirito 
Faz tocar a clave do sol em sonata
Espalhar notas de primavera no ar
Fazer premonição para o sol
Que toda manhã vem nos brilhar.


Son dos Poemas

AS SEM RAZÕES DO AMOR (GLOSA DE SÔNIA GONÇALVES)




Projeto : Meu Patrono Visto Por Mim.

Patrono: Carlos Drummond de Andrade
Acadêmica: Sônia Gonçalves
Cadeira:14


AS SEM-RAZÕES DO AMOR

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

Eu te amo porque te amo.
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo
.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.
Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.

Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.
Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.

Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

Glosa:
Amor Sem Razão

Eu te amo por amor sê-lo
Sou amante porque amo
Não poderia deixar de sê-lo
Eu te amo porque te amo.

Amor pra ’lma é unguento
Vive no sujeito oculto em elipse
Verso erudito na língua do vento,
Na cachoeira, no eclipse.

Ainda que mil vocabulários
Traduzam amor simples assim;
Multilíngues serão relés glossários
Bastante ou demais a mim.

Porque amor chama sentimento,
É vela acesa queimando a esmo.
Não se apaga nem há pagamento,
Feliz e forte em si mesmo.

Amor segue a morte e vai além...
É primo sui generis superior
Por mais que o matem (e matam)
A cada instante de amor.

Son Dos Poemas –

DESEJO



Desejo

Como não fazer gracejos?
Sentir teu cheiro bom de aconchego
Sorrir em teus lábios com beijos
Pousar em teu olhar noctivago
Despertar o meu lado carnívoro
Animal sedento compulsivo
Como não ser mundana e aflita
Se atenta a insônia lascivia me grita
Sedenta a boca é seca e querente
Tanto amor acende o desejo da pele
E tantas outras vontades sugere...
Cordatos desejos em colunas encostas
Como não ser assim primitiva exposta?!...


Son Dos Poemas

LIBERDADE



Liberdade

Em verdade vos digo
Vem liberdade dança comigo
Me leve adiante da matéria
Voe em minha doce memória


Repousa em mim primavera
Onde o galo canta pro dia nascer
O sabiá faz couro ao alvorecer
A liberdade têm asas maior que o querer

Vem liberdade correr o mundo
Despudorada na lufada do vento
Vem como um sonho
Na liberdade do pensamento...

Son Dos Poemas

EXPOSIÇÃO


Exposição

Quem somos então...
Qual o meu defeito?
Guardar-te em meu peito?
E teu ego mais cego...
Ter olho literal..
Que te faz sempre receber
Fazer da chuva temporal
Nunca retribuir nem ir nem vir...
Os perfeitos são tão imperfeitos
O relacionamento é mais que pessoal
Interpessoal é a falta de jeito
A exposição numa vitrine de vidro fosco
O dizer da "manipulação"
O vampirismo não tem explicação
Mas o lirismo é prazer de sensação
Um mar de exposição que turva a vista
Entra com a petição como um jurista
O ciúme desnorteia e te expõe
O amor nocauteia ao te elevar
E tudo se traduz com estranheza
Entra ano sai ano o ser humano tristeza...
É menos mano...


Son Dos poemas

NECESSIDADE



Necessidade...

Já se perguntaram por que temos?
Por que queremos mostrar nossa "arte"?
Sim, existe uma vaidade infinita invadindo os egos sem tamanho...
Todos querem ser admirados, ninguém se detém em "admirar"
Publicar, publicar...
Onde deixamos o conceito de ouvir?
De ler, aprender?
Por que queremos tanto estar em evidência?
Por que sempre achamos que teremos uma "recompensa"?
Pensa...Por que precisamos gritar que somos?
Nascemos livres e assim morreremos...
Parece, senão "gritar"não acreditamos em nós
Tempos de reflexão sobre o ser humano
Atemporal em todos os momentos
Quão difícil é o relacionamento...
Seja no mundo real ou virtual..
E por que separamos em mundos?
Não somos todos um só?
O virtual faz parte do nosso mundo real
E nosso mundo real trazemos para o virtual...
E até assim os desentendimentos nos procuram
Os desencontros...


Son Dos Poemas

TURBULÊNCIA



Turbulência

Abraça-te com asas de vento
No céu riscos e coriscos pelos ares dissolutos
Alguns dias trazem turbulência ao sabor do momento
Acelerado o tempo corre ensandecido abrupto
E o amor mais livre de repente explode absoluto
O sonho mais louco do que nunca eclode
Pode sim ter sido uma ave que voou
Causou tempestade num repente
Num manifesto de ciúmes dos deuses
O som do silêncio no vácuo ecoou
E os trovões tremularam no céu...
E tudo foi formatado em sumário amor...


Son Dos Poemas

OPACIDADE



OPACIDADE

Tempos de felicidade...
Ainda lembro-me da ronda e da busca...
Daquela paisagem bucólica e rústica 
Dos mais de cinquenta tons d'alma
Da dança e da música lenta e calma
Guardo pelas frestas da memória a cor opaca
As pontas das arestas por nós aparadas
As bocas amparadas alagadas d'desejos
A chuva e o beijo indizível
O tom nevoento da cor da realidade
O feitiço das brumas o amor invisível
A cidade onde os Anjos afagam a poesia
Um mundo de utopia de verdades...
SoN Dos Poemas

ALEGRIA



Alegria

O sentimento é mais que força de expressão...
O som dá a deixa e deixa fluir alegria...
A seta segue o sentido o sorriso puro e labial


A intenção é o gesto jubiloso e natural...
O ir e vir da alegria requer atenção
Tomar a vida como vinho em canecão

Embriague-se com aroma floral de pitanga...
Invente brilhante real de strass e miçangas
Veleje e divirta-se num barquinho de papelão

Sejais um soldadinho de chumbo sorridente
Essencial é um spray d'alegria por dentro
Um jato que precipita esperança ao poente

Sorria de tudo mesmo que desalento...
Alerte os ouvidos ouça a alegria do vento...

Son Dos Poemas

CIÚMES



Ciúmes !!!

Enraizado feito praga, mente ao coração...
Serpente que destila veneno em profusão
Destoa o som dá deixa triste me obversa
Espectral amor faz-me lágrima imersa...


Tangente é o coração com tom d’amabilidade
Abrange cultivar amor em solo só reciprocidade
Outro lado do som, ladeado por Anjos e falanges
Ignoro os maledicentes e a tu que finges!

Minha essência não tem veneno de escorpião
Á boca só mel que a natureza devora e depura
Ah!...Quanta loucura sem nenhuma razão...

Espreitas minha gazeta miríades palavras ao chão...
Trava-me a língua com fome indiferente e dura
Recicla meu poema em tua glote engula em vão!

Son Dos Poemas

Versando livre



Versando Livre

Dizendo em curto sem grosseria
Elegante mesmo é ser poesia
De verdade sem demagogia
Fazer folia com o tempo
Falar do timbre grave do poema carente
Amar os acordes do sempre livre
Soprar o ventre das estrelas ausentes
Escrever seus melhores momentos
Fechar os olhos e abraçar (s)eu poeta
Conversar com os seus botões de rosa
Vê-la abrida como uma poesia amorosa
Acariciar seus tendões de Aquiles
Fazer-se imperatriz perfumar-se com flor de Amarilis 
Amar o beija-flor bandoleiro atrevido
De todos os sentidos o mais querido
Tão volúvel o lindo passarinho...
Beija todas as flores suga o néctar o vinho
Mas a predileta é carminada...Hibisco...
No meio no centro corada beijada levada no bico 
Meu rabisco de filosofia de borboleta
Aquela que voa de boca em boca
Com ares voláteis e som de trombeta...
Ah!..Borboleta lampeja lambareja...
É clandestina é mariposa
Num abrir e piscar de asas é Louca
É lírica veleja e beija e beija...


Son Dos Poemas

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Feitiço



Feitiço

Sinto teu feitiço bem perto
O tempo que passa o que caberá?
A cumplicidade do vento
A particularidade do que virá...

O deserto d'alma a premonição
A fileira a brincadeira a coxia...
Os órgão do sentido de prontidão


Nossa acolhida nas veredas a poesia

Sinto o feitiço em teu olhar...
A macies das tuas mãos
O toque felpudo no acariciar
A mistura ternura nossa fusão

A pretensão rompendo as ilusões
Restringindo as barreiras 
Incendiando a carne e os corações
As lágrimas caindo ás boas maneiras...

A adaga que perfura o peito
A espada sobre a cabeça o grito
O travo na glote o impacto
O pacto de amor mais bonito...

Son Dos Poemas 



Em Que Tempo?...


Em Que Tempo?

Contratempo é minha vestimenta
Por isso mesmo sou poesia desnuda
Escrevo tudo o que me atormenta...
Adoro shorts camiseta e bermuda

Quem não sabe inventa eu penso...
Em você todo o tempo todo
O aperto no peito é imenso
O amor mais louco compartilhado...

Parece coisa do século passado
Das tantas viagens que fizemos
Em algum lugar devemos ter florido
Meu cavaleiro dos tempos idos

Querido meu amado...
O melhor da vida foi ter encontrado
Você!...

Son Dos Poemas 

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Originalmente


Originalmente


Sobre mim um toldo d' ternura
O firmamento celeste d'cobertura
Ás têmporas anatomia existente
Penso poesia exercito a mente

Recorrente a inspiração é cativa
De repente me dita, escreva!
Então tudo penso ser capaz
Rabiscar o universo em paz...

Assim versejo glicínias verdejantes
Invento cores d'malvas em instantes
Decoro a visão com Oasis que miro
Com asas d'pensamentos num suspiro...

Son Dos Poemas 

quinta-feira, 18 de junho de 2015

O Que Importa


O Que Importa

Se portas e muros...
Se liberdade salta janelas...
Agora não tem mais jeito
Teu amor me veste o tino
É meu número perfeito poeta menino...
Não importa o tom do batom
O som que ouço é amor bom bom!
Você é meu sol de verão sim sim!
Meu perfume meu mel de alecrim...
É o som dos meus vitrais
O silêncio de minhas catedrais
Agora você é a árvore que me sombreia 
Os ramos frondosos que me abraçam
É o mel que colho nos lábios
As frases feitas ditos dos poetas sábios
Agora você é meu ritual de paixão
Meus fetiches mel de tentação...
A intenção é para sempre eu penso
O que importa eu peço com gentileza...
O sabor que sinto na boca é framboesa
Do beijo uno ao universo certeza
Teço você como um manto de crochê
Te amo!...Mesmo que seja um clichê...
Meu verso mais livre é sempre amar você.


Son Dos Poemas


quarta-feira, 17 de junho de 2015

Ventania


Ventania

Corre a revelia de mim...
Amor exagerado infinito e sem fim
Mel extradicionado no favo do porém
Numa rajada de vento no meu horizonte além
Bem mais que afortunado e descontraído
Amor em verbo mais que amado
No predicado sentido
No silêncio do meu jardim 
Dobrado á ventaneira ruidosa
Os amores perfeito o pé de beijo e a rosa
No meu sabor sem refinamento 
No doce mascavo do sempre momento
Refinado num moinho de vento
Nas entranhas das rosas que cultivo
Nu é teu cheiro de paraíso
O rebelde amor ao que me privo
Na corrente de um furacão
Demão apressada é a ventania
A brisa macia em quentura
A sentença e a castidade
Só amor no coração
E a poesia extreme e pura...

Son Dos Poemas 

Em Brasa



Em Brasa


Conversas em brasa...
Em tom bem acentuado
O parolar de dois pássaros alados
E entre um beijo e outro
Nos olhos um "eu te amo"
Bem apaixonado



Son Dos Poemas

Tiê Sangue


Tiê Sangue

Vermelho é a cor do sangue
É o rubor da face de Marte 
É framboesa cereja é morango
Prazer em vestir-se dançar tango
É da boca o batom carmim
O tom da paixão é meu amor trampolim...
Meu som de amor enviesado godê
Costurado nas entrelinhas
Nas asas das andorinhas e pássaros tiê...


Son Dos Poemas

Poesia Lírica


Poesia Lírica

A poesia lírica é aflita e calma...
Letra por letra surge d'alma
Nua é crua me faz protagonista
Desenhar você em lençóis futurista...
Escrever-te em tom cardeal
Pintar minha pele de rubro
E os lábios de vermelho
Me declarar insanamente 
Apaixonada passional!

Son Dos Poemas

Quando Dizes











Quando DIZES

Quando dizes amo você...
Palavra tão banal por vezes clichê
Que exala um cheiro de frase padrão
Tempera letrinhas com pimenta e limão
Se a palavrinha AMOR soar palavrão...
No sentido de sua grandeza e magnitude
Tocar-me-á alma e responder-te amo em completude 
No momento quando és tu quem me diz
Adoça minha boca com sabor de anis
Aromatiza-me de amor e perfume d' álamo
Quando és tu a dizer és meu amo...
Senhor do meu desejo alma e carnal
Amor verdadeiro meu sol boreal
Sou capaz de beijar-te a língua içar tuas velas
Navegar em céu e (a) mar deslisar feito caravelas
Vestir-me de lua ir ás estrelas
Só para surpreendê-las 
Ao te ofertá-las...

Son Dos Poemas 


Meus Grilos Cor D'Rosa


Meus Grilos Cor D'Rosa

Tenho um grilo falante cor de rosa
Sopra quilos e quilos de poesias e prosa
Usa uma linguagem em tom coloquial
Impressiona-me o sotaque bem informal
Um tom cor de rosa turmalina
Faz tantas perguntas que a mente alucina
Mente para mim e me diz...Menina...
A chama dobra o lirismo do vento
Decompõe em fator forte sentimento
Os versos de amor ao róseo momento
O gosto do vinho rosé
O sabor do amor tão prive...

Son Dos Poemas





Amor Magnificente

Tão lindo que arde e se sente
Amor das criaturas etéreas ou gente
Das plantações dos gerânios
Da filosofia das poesias dos planetas
Mercúrio Urano tantos quereres insanos...
A caneta que escreve o ego das letras
Polos opostos atrativos convexos
Percepção, sentidos do sempre complexos
Filosofia de Platão
Amor ou loucura?
Ás bruxas doo doces travessuras?
Platonista ou Plutão? 
Mistura procura com ilusão...
O crânio a múmia o escorpião
Ser ou não ser?... (Shakespeare) 
Essa é a questão!
Amar com entrega com pureza...
Amor platônico com certeza
As diferentes coreografias
Os semblantes das gárgulas as cores frias
As borboletas e os diamantes...
A todo instante uma inspiração
A lição?...Sempre amor 
Com lucidez mas nem sempre razão...


Son Dos Poemas 





Quando Saio D' Cena

Busco encontrar um poema perfeito...
Ah!...Vida de peitos de jeitos e confeito
Com efeito me faço d'amante libélula
Tão vibrante vejo a vida bela...


As criaturas das noites suntuosas
O nome das flores das rosas...
O beijo atraente do vampiro
Oh!...Meu doce suspiro...

Confeito meus sonhos de pedraria
Busco meu pão sim e não todo dia...
Calço meu coração d' asas d' Anjo d'aço
Pra me proteger das quimeras que abraço

Abro a boca para o infinito...
Como amor amanhecido aos pedaços
Sou luz e libélula n'm sonho bonito
Quando calo falo aos silêncios...

Sou mãe rainha do lar...
Sou mulher sou amante do (a) mar...

Son Dos Poemas








Quantos Poemas?
Quantos poemas serão precisos?
Quanto te precisarei... 
Centenas de poemas te escreverei
Preciso cem finais com cem prelúdios...

Quando poeta te terei?
Quando poetisa me saberei...
Com quantos versos vou te encantar?
Com quantas asas poderei voar?

Poderá ao meu lado caminhar?
Quantas perguntas vou perguntar?
Me ama de fato ou quer só sonhar...
Será que ainda saberemos o (a)mar?

Son Dos Poemas 

terça-feira, 16 de junho de 2015


Ponto cardeal

No momento exato...
Aflora venosa é poema é extrato
Nu cardeal do lado de dentro
Essência cor de rosa...
No lado esquerdo no centro...
O fluído sanguinolento pulsar 
Os suspiros do encontro...
E o cardeal bem querer pra amar
No vento o som do pensamento
E o lascivo desejo no olhar...
Namorar é passarinhar os sentidos
E nunca sentir medo de um dia passar...

Son Dos Poemas

sexta-feira, 12 de junho de 2015



Não é uma PIMENTA....
É aveludada e macia 
Uma estrela rúbia centelha
Um espiral em supremacia
Até parece uma fantasia vermelha
Um caracol em forma de poesia
Um molusco em sua coreografia
Lenta e maleável divertida
Quase pink é a cor colorida
Duvida ainda?
Lesma ou caracol?
Tem medo do sol...
Só sei que e vermelha e linda!


Son Dos Poemas




Metamorfose D'Alma

Cria asas de expectativa no ar
Há metamorfose no entardecer
Sai do casulo tão seguro de seu ser...
Foge do castelo para voar
Descobre o amar pensa que é o mar...
Lança-se num voo independente
Faz dança do amor incandescente... 
Vestida de mariposa indecente
Disfarçada de metamorfose ambulante
Ornada de rosas e borboletas brilhantes
Pisando em versos pelas calçadas
Dança com a lua abraça madrugada
Faz metamorfose d'alma e alucina
A lucidez faz libertina a insemina
A aventura que tão breve perdura
A colheita é o amor tão boa aventura
Vê as quimeras nas chamas da loucura...
Sente a paixão queimar feito brasa
Diz adeus pra ilusão de volta pra casa...


Son Dos Poemas

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015



FADA


Fada criança 

Valsa nos sonhos de ninar

Têm asas de esperança

Onde conseguem sempre voar...

Tempo de infância tão bela!

Tudo é singularmente singela...

Sonho de criança que acorda

Com a luz violeta angelical

Pensa ser fada acordada 

Nos lençóis de nuvem celestial 

Criança fada...

Herança deixada moldada

Alma pueris expandidas

Nossas crianças queridas

Sonhos bons de nossas reais vidas...




SON Dos Poemas