Total de visualizações de página

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Ventania


Ventania

Corre a revelia de mim...
Amor exagerado infinito e sem fim
Mel extradicionado no favo do porém
Numa rajada de vento no meu horizonte além
Bem mais que afortunado e descontraído
Amor em verbo mais que amado
No predicado sentido
No silêncio do meu jardim 
Dobrado á ventaneira ruidosa
Os amores perfeito o pé de beijo e a rosa
No meu sabor sem refinamento 
No doce mascavo do sempre momento
Refinado num moinho de vento
Nas entranhas das rosas que cultivo
Nu é teu cheiro de paraíso
O rebelde amor ao que me privo
Na corrente de um furacão
Demão apressada é a ventania
A brisa macia em quentura
A sentença e a castidade
Só amor no coração
E a poesia extreme e pura...

Son Dos Poemas 

Nenhum comentário:

Postar um comentário